Giulia Russo, grinder do Pokermagia, acaba de subir no nível no Spin and Go de € 25. Nos últimos meses, ela pegou o elevador e sua subida foi aplaudida. A garota de Castel Volturno tem idéias claras sobre os objetivos a serem alcançados: “vença os 25 e chegue aos 50 e depois passe aos 100. Tudo isso no menor tempo possível. Talvez eu tenha estabelecido um novo recorde, apesar dos problemas iniciais. Feito isso, reavalia o river ”.

Sua ascensão nos Spins começou há cerca de um ano e meio: “Comecei a avaliar os Spins no final de 2018 e no início de 2019 a jornada real começou. Infelizmente, devido a problemas familiares, as coisas foram muito lentas para mim. Eu tive que colocar o jogo em segundo plano. As horas que pude dedicar foram muito poucas e em 5 meses eu fiz o que um jogador normalmente faz em 1/2 meses. Felizmente, venci imediatamente os dois primeiros níveis e agora vim jogar os 25. O mais fantástico dos Spins é que eles te libertam”.

Ela está contente com a experiência adquirida no PM: “Minha escola, Pokermagia, me ajudou muito porque me dá serenidade, o que é fundamental para um jogador. Sei que sempre posso contar com eles, seja por problemas ou dúvidas técnicas, seja por problemas pessoais. Eles são todos muito disponíveis e preparados. Na PM, é inevitável criar relacionamentos amigáveis com qualquer pessoa, porque, embora sejamos muitos, é basicamente composto por pessoas boas, sérias e corretas. Em termos de poker, acho que ainda é a melhor escola de poker da Itália ”.

 

Entre na Escola de Poker n°1! Clique aqui para todas as informações.

 

Primeiro, ela jogava torneios online: “a vida do grinder mtt é realmente difícil. Exige um compromisso e um sacrifício, para mim, enorme e com um grande ponto de interrogação no final. É realmente difícil transformá-lo em um trabalho real hoje, e eu respeito e admiro aqueles que o fazem. Portanto, reservo o Mtt por diversão, porque a adrenalina de uma mesa final é realmente fantástica e às vezes precisamos injetá-lo em nossas veias ”.

Ela gostava muito de jogar live no passado: “durante 1 ano joguei ao vivo 2/3 vezes por semana, visto que meu parceiro jogava puramente ao vivo, nas salas da minha área. Devo dizer que me beneficiei de sua experiência e habilidades. Foi um bom percurso. Aprendi muitas coisas e obtive excelentes resultados, espero não apenas uma goodrun; mas agora, se penso em live, para mim, apenas aqueles com um bom garantido fazem sentido e, infelizmente, fiz muito poucos na Itália e fora dela. Espero consertar o mais rápido possível”

.As sensações para uma mulher nas mesas nem sempre são positivas, mas, às vezes, podem surgir vantagens: “Acredito que no Sul, e certamente na Campania, entre pessoas de cultura baixa ou inexistente, existe ainda a ideia de que as mulheres devem permanecer em casa e certamente não em uma sala de pôquer. Em live, você sempre encontrará alguém, geralmente um fish, que quando vê uma mulher, se enfurece contra ela. Eles “andam por aí”, querem mostrar sua masculinidade, sua supremacia … e vão para casa na hora. Eu tenho que dizer que é muito divertido. Eu tento obter todas as vantagens possíveis desses jogadores, tanto da minha imagem na mesa quanto do que eles pensam de si mesmos. Obviamente, isso acontece muito menos no online, porque muitos não sabem quem está por trás daquele nick”.